domingo, 14 de outubro de 2007

Estranho Amor...


Me dispeço de mais uma tarde sem você...
De mais um por-do-sol contemplado por estes olhos rasos mergulhados na imensidão da brisa.
Pergunto-me porque esta saudade rasga o colo sem ar.
Porque me confundo entre meus sonhos e esta realidade fria.

Na varanda da velha casa das lembranças restaram as promessas de tardes de outono junto a ti.
Vãs promessas.
O estômago esfria toda vez que imagino vê-la romper o horizonte.
Alguns chamam de miragem, outros de ilusão e eu de triste esperança.

Resta-me um coração no estômago...
Você já se prendeu a alguém de uma forma que não conseguisse mais dormir sem trazer a mente a imagem da pessoa amada?
Mais complicado é quando a imagem se perde por entre as tristezas.
Vivo sozinho e dentro de mim um labirinto consome o meu vazio esvasiando as interrogações.
Em um sonho de estranhos amores com sorrisos que plantam lágrimas pelo caminho da ansiedade.

Mas este labirinto persiste em durar.
Paredes firmes de orgulho e caminhos estreitos de incertezas.
Escondo-me, é apenas um sonho.
Seu sorriso me trás uma lágrima e muitas páginas escritas em meu caderno de folhas amarelas.
Tenho um receio de acordar, mas preciso, eis aí, é a realidade chegando porque todos esqueceram a poesia.
Pergunto-me onde foi que esqueceram-na e porque para viver com ela tenho de me isolar deste mundo.
Mas é difícil viver a poesia sem você e é complicado viver contigo se não conheces mais o valor da poesia.

A estrada está acidentada, o vento está cortante e lá se vai outro por-do-sol.
Não há mais o que fazer, estou chegando ao fim do labirinto e o crepúsculo está próximo.
Infelizmente tenho de confessar a mim mesmo e convencer-me que não preciso mais esperar-te para tomar o rumo nesta estrada.
Liberdade em um estranho amor que mata a sensatês e desperta o trovador adormecido no lago da solidão.
E assim finjo que não estás aqui, que não te sinto e que não invades mais meus sonhos.
Mesmo triste sorrio,
É um sonho...
Um sonho de silêncio onde o único ruído é um pulsar incerto.
Concentro-me...
E de repente: Escuto o meu coração bater no estômago.

Um comentário:

Ju disse...

Olá minha estrela...

O coração por vezes partido, nao deixa de bater... mas a dor de sentir o coração em´pedaço é forte de mais pra ser suportada sem lágrimas... Só Deus pra derramar sua graças sobre nossas vidas e nos dar a força pra o resto do caminho...
Teho saudade...
Saudade das longas conversas e dos segredos partilhados... das dores ouvidas e alegrias contadas...
Mas só a graça do Senhor pra nos dar forças pra o resto do caminho...