quinta-feira, 15 de maio de 2008

Outdoor, caminhos e felicidade

De repente você se encontra diante de um edifício tentando entender uma propaganda de um outdoor.
Não há o que fazer, não há para onde ir, talvez porque não haja um sentido, me refiro a direção, para avançar.
O que há de errado? Parece que tem dias em que o mundo está de cabeça para baixo e esqueceram de te avisar que é o dia em que devemos observar tudo ao contrário.
As vezes comprometo-me a fazer as coisas do modo correto, mas quem pode conter uma estrela ou deter uma intensa magia em um frasco cor de chumbo?
Ontem encontrei uma folha de rabiscos, o seu nome contia um coração e o meu uma estrela.
ESTRELA...
Os poetas estão morrendo, a magia está se perdendo com o passar das noites.
Não há mais aqui dentro algo como paixão ou amor.
Talvez eu tenha procurado status e esquecido que após o por-do-sol ainda possa existeir tardes de outono, risos de primavera, aconchego de inverno e férias de verão.
Talvez eu tenha me esquecido que em algum lugar deixei meus sonhos.
Que em algum lugar esqueci minha maquiagem de pantomima.
Que deixei cair em alguma valeta minhas lágrimas de conquistas.
Que em algum tempo e espaço eu tenha deixado de sentir o calor de outra mão na minha.
E em algum momento do passado perdi a coragem de acreditar que as coisas poderiam dar certas novamente.
Nos ultimos dias perdi meu avô e com ele a esperança de ver que as coisas poderiam ser reais como eu queria. Tolice! Elas sempre foram reais, apenas o que eu queria deixou de acontecer, talvez porque eu não soube o que me fazia feliz de verdade.

No silêncio as vezes me pergunto se a felicidade já foi plena dentro de mim, se já foi completa, se já foi precisa e se já foi real. Sim, talvez quando alguém dormia e eu sussurrava um "je t'ame" tão baixo quanto sua respiração e as estrelas respondiam "je aussi vous ame".
Mas então olho novamente para o bendito e intrigante outdoor, e reparo que os minutos que se passaram, demoraram o bastante para eu me lembrar que a felicidade está dentro de nós.
Está dentro de nossas atitudes.
Está em nossas ações, escorrendo abraçada a nossas lágrimas e penetrando em nossa respiração.
Estar feliz depende do que te tras a felicidade e aliceçar a felicidade é essêncial quando se está no meio da tempestade de dúvidas e depressões.
Ser feliz é fazer e querer fazer alguém estar bem apenas sabendo que você estará ali de coração, de vontade enraigada e interesse puramente solidário.
E então você sabe que há um rumo a se tomar, um caminho a seguir e uma escolha a fazer.
Eu ainda não sou um cara totalmente feliz em algumas áreas de minha vida.
Mas sou essencialmente feliz por saber que tenho capacidade de ser.
Ainda há algo que preciso fazer... decisões que precisarei tomar um dia.
Por enquanto apenas prescinto que existe algo diferente no ar e logo logo o céu será vermelho chocolate.

Sentirei saudades vô.

Um comentário:

Alluap disse...

"Os poetas estão morrendo, a magia está se perdendo com o passar das noites."

sí eles estao morrendu,mas outros(eu espero) viram! tu es jah um dos q estao por vir... creio eu.

rsrs! eu me achandu maluk por gostar d ficar na chuva arriscandu uns passinhos d dança...!!!rsrs
agora jah sei q nao sou a unica!

big beso!
hasta!